Image micarandi-218x150

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira (26) a expulsão de 60 diplomatas russos do seu território. Além disso, o magnata norte-americano determinou hoje o fechamento do consulado russo em Seattle.

Essa expulsão não ocorreu só nos Estados Unidos, mas também em outros 15 países da União Europeia, no Canadá e na Ucrânia. Afinal, ainda hoje, o Ministério das Relações Exteriores da Itália anunciou a expulsão de pelo menos dois diplomatas russos .

Já os governos da Alemanha, França e Polônia anunciaram a expulsão de outros quatro cada. Enquanto a Lituânia e a República Tcheca também expulsaram mais três cada. A Ucrânia expulsou 13 diplomatas e a Holanda, Espanha e Dinamarca expulsaram dois.

Um diplomata também será expulso de cada um dos seguintes países: Suécia, Letônia, Estônia, Finlândia, Romênia e Croácia.

Tal medida foi tomada pelos líderes desses países como uma retaliação contra o envenenamento de um ex-espião russo no Reino Unido – ataque que Londres garante que foi arquitetado por Moscou. Apesar da reação internacional, o governo russo segue negando que tenha qualquer envolvimento no caso.

Logo, assim como fez com a Inglaterra na semana passada , o presidente Vladimir Putin, promete responder a cada um desses países na mesma medida, expulsando diplomatas de todas as nacionalidades que retaliaram a Rússia.

Sete dias para deixar os EUA

Os russos expulsos dos Estados Unidos terão sete dias para deixar o território norte-americano. Seus nomes não foram divulgados, mas fontes do governo americano afirmam que os expulsos eram “espiões trabalhando nos Estados Unidos sob uma capa diplomática”, de acordo com a Associated Press .

Ainda segundo essas mesmas fontes, o consulado de Seattle recebeu maior atenção por parte dos serviços de inteligência por causa de sua proximidade com a Base Naval norte-americana.

Esse é o movimento mais severo do governo Trump contra o governo russo, de Putin, desde a eleição do republicano, em 2016. Apesar dessa questão, há menos de uma semana, o líder americano cumprimentou Putin por sua reeleição, mas não entrou no assunto do envenenamento.

Caso do ex-espião russo

O ex-espião Serghei Skirpal foi exposto a uma substância química que afeta o sistema nervoso. O envenenamento ocorreu em Salisbury, na Inglaterra, onde ele vive. Ele era espião da Rússia, mas agiu como agente duplo para os serviços secretos britânicos e chegou a ser condenado por Moscou.

A filha de Skirpal, Yulia, também foi atingida pelo ataque, além de um policial que tentou prestar ajuda. O governo do Reino Unido acusa a Rússia de estar por trás do crime. Países aliados, como Alemanha, França e Estados Unidos, se juntaram a Londres na acusação.

Moscou nega qualquer envolvimento no episódio e diz que está sendo vítima de uma campanha internacional, que culminou na expulsão de todos esses diplomatas russos de diversas localidades.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here