Image visita-tecnica-696x468

Uma comitiva de integrantes de duas unidades de saúde potiguares esteve no Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires nesta quinta-feira (21), para conhecer suas instalações e fluxos regulatórios. Os participantes da visita fazem parte do Hospital Universitário Ana Bezerra, localizado no município de Santa Cruz, e do Hospital Infantil Varela Santiago, de Natal, ambos no Rio Grande do Norte.

A visita foi motivada pelo perfil semelhante existente entre o Metropolitano e as unidades de saúde do RN, que desejam ampliar sua capacidade e complexidade e, para isso, irão se espelhar em diversos aspectos da unidade de saúde paraibana.

Para a gerente de regulação da Secretaria de Saúde, Luciana Suassuna Dutra, essa visita é muito importante porque esses hospitais são serviços com perfil em neurologia com os quais o Hospital Metropolitano terá um link no futuro, como centro de referência ligado ao Cadastro Nacional de Regulação de Alta Complexidade (CNRAC).

“Essa visita é essencial para conhecer o nosso padrão de qualidade, nosso perfil, nosso fluxo, para trabalhar em conjunto em um futuro bem próximo”, comentou Luciana, ressaltando que o SUS tem o grande desafio de fazer com que a população e a rede de saúde tenham entendimento que a regulação existe para garantir a vaga do usuário e qualificar seu acesso ao serviço de alta complexidade.

O chefe de infraestrutura do Hospital Universitário Ana Bezerra e voluntário do Hospital Infantil Varela Santiago, Luiz Ricardo Carvalho, ressaltou que a visita contribuiu para o compartilhamento de conhecimento, interação com novas tecnologias em saúde e verificação do funcionamento de sistemas e de espaços que os hospitais potiguares não dispõem atualmente.

“Decidimos vir conhecer o Hospital Metropolitano para ver um espaço novo construído nos padrões, já que nossos hospitais são antigos e trabalhamos muito com reformas, o que nem sempre possibilita aplicar todas as normas, sendo necessárias frequentes adequações. É um projeto de grande porte em uma região que precisa desse tipo de equipamento, com tecnologias adequadas, com funcionamento ideal. É uma realidade de como deve ser o padrão e não uma adaptação”, comentou Luiz Ricardo, que é arquiteto.

Francisco Régis da Costa Neto, administrador do Hospital Infantil Varela Santiago, elogiou a estrutura e observou como a regulação de um serviço como esse pode ser desafiadora. “Deve ser um desafio educar a população para entender a especialidade de um hospital com esse porte”, reconheceu.

As equipes visitantes se impressionaram com a estrutura do Hospital Metropolitano e com os equipamentos disponíveis para o paciente. Leobaldo de Souza, gestor de manutenção hospitalar na área clínica do Hospital Infantil Varela Santiago, afirmou estar “impressionado com a capacidade e o volume de pacientes que o hospital pode receber. Nunca vi um equipamento de saúde assim”, ressaltou.