Image pamela-mito

Reportagem da Folha de São Paulo destacou a pré-candidatura a deputada Estadual da ex-primeira Dama do Estado da Paraíba, Pamela Bório, recém filiada ao PSL.

No dia 21, o pré-candidato à presidência da república pelo PSL, Jair Bolsonaro esteve em visita à Paraíba, gravou vídeos em manifestação de apoio a jornalista, e a ex-mulher do governador, Ricardo Coutinho (PSB).

Leia Matéria da Folha de São Paulo

Outra novidade nas eleições deste ano é Pâmela Bório, ex-mulher do governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB).

Ela filiou-se ao PSL de Jair Bolsonaro e vai disputar uma cadeira na Assembleia da Paraíba. No campo oposto ao do governador, diz que não mudou de lado no espectro político.

“Nunca fui do grupo político do governador, só era a mulher dele”, afirma Pâmela, que ainda diz que nunca foi filiada ao PSB nem se identificava com as ideias do partido de Coutinho.

Jornalista, apresentadora de televisão e ex-miss Bahia, Pâmela foi casada com Coutinho entre 2010 e 2015 e tem um filho com o governador. Mas desde a separação têm um histórico de conflitos, inclusive judiciais, com o pessebista.

De um lado, ela moveu processos contra Coutinho com base na Lei Maria da Penha. Ela o acusa de ser o mandante de agressões que ela teria sofrido de seguranças da Granja Santana, residência oficial do governador. Ele nega as acusações e já moveu mais de 20 processos contra a ex-mulher por calúnia e injúria.

No período em que foi primeira-dama, Pâmela envolveu-se numa polêmica após o Tribunal de Contas do Estado questionar gastos da residência oficial do governador com itens como móveis e acessórios para bebês. Ela diz que não era ordenadora de despesas e nunca teve responsabilidade sobre os gastos.

Para eleger-se deputada, conta com uma base de seguidores nas redes sociais —só no Instagram são 73 mil seguidores. Nas redes, ela mescla mensagens de caráter político com posts patrocinados para salões de beleza e clínicas de estética.

Diz que, se eleita, fará oposição ao grupo do governador e atuará com independência. “Ajo movida por meus ideais e convicções. Não me prendo a padrões, minha história mostra isso”, diz.

 

Com Repórter PB