Image trump-1-696x464
Medida valerá para motos vendidas na Europa. Taxas impostas pela União Europeia podem fazer preço das motos subirem até US$ 2,2 mil.

A fabricante de motocicletas Harley-Davidson planeja transferir parte de sua produção para fora dos Estados Unidos por causa das tarifas impostas recentemente pela União Europeia (UE), uma medida que foi tomada como resposta aos encargos aplicados por Washington.

A companhia com sede em Milwaukee (Wisconsin, EUA) explicou em uma apresentação com acionistas que fabricará fora dos EUA as motocicletas vendidas na Europa, com o objetivo de evitar as barreiras tarifárias, segundo informaram nesta segunda-feira veículos de imprensa americanos.

“Aumentar a produção internacional para aliviar a carga tarifária da UE não é a preferência da companhia, mas representa a única opção sustentada para fazer com que as suas motocicletas sejam acessíveis para os clientes na UE e para manter um negócio viável na Europa”, afirmou a Harley-Davidson em uma declaração preparada para seus acionistas.

A Harley-Davidson anunciou que completará a mudança de parte da sua produção em um prazo de entre nove e 18 meses.

Nessa conferência com acionistas, a direção disse que as motocicletas exportadas à UE desde os EUA teriam, a partir de agora, um custo médio de US$ 2,2 mil a mais, motivo pelo qual decidiu que é mais efetivo fabricá-las fora do país.

“O tremendo aumento de custos, se transferir às concessionárias e aos clientes no varejo, teria um impacto prejudicial imediato e durável para o negócio, reduzindo o acesso aos nossos produtos e afetando negativamente a sustentabilidade das concessionárias”, indicou a companhia.

O presidente americano, Donald Trump, se reuniu com executivos da Harley-Davidson em 2017 (Foto destaque: REUTERS/Carlos Barria)
Da redação com revista Auto Esporte