Image 20180703200329328317e-696x391

 O Brasil pode ficar tranquilo. Yuri Torsky, o russo que virou mascote da seleção e ganhou alguns apelidos como “psicopata do hexa” e “torcedor sinistro”, vai ver o jogo contra a Bégica, na sexta-feira, em Kazan, pelas quartas de final. Ele foi convidado pelo jornalista Tomer Savoia, que também viralizou nas redes e virou celebridade na Rússia com o seu “viking brasileiro”.

— Foi realmente uma surpresa o convite. Para mim é difícil ir para outras cidades — disse Yuri, que está feliz com a fama repentina.

Se o Brasil passar de fase, o engenheiro aeroespacial não sabe se seguirá para São Petersburgo. Vontade não falta. Quem sabe não rola outro convite.

— Eu quero ver mais jogos do Brasil sim. Eu tentarei dar alguma sorte — brincou Yuri.

Há três dias, o russo viu sua página no VK, rede social russa, ser invadida por brasileiros. Alguns agradecendo a boa sorte que ele trouxe; outros pedindo que ele siga a seleção até o fim e muitos convites para conhecer o Brasil. Além do futebol, Yuri conhece algumas referências do país.

— Rio, a capital Brasília e Natal, que alguns amigos foram visitar — conta.

Numa das centenas de mensagens, ele viu a imagem dele transformada em mangá. A criação do cearense Israel de Oliveira fez sucesso e Yuri a colocou como a foto do seu perfil no VK.

Até agora ele ainda estranha a repercussão. No primeiro dia, quando se deparou com até então dezenas de mensagens na página que tinha poucas interações e curtidas, ele demorou a entender.

— Foi uma surpresa imensa. Eu não acreditei num primeiro momento. Foi estranho, mas muito interessante também — afirmou ele, que não soube responder sobre o apelido de “psicopata do hexa” por causa da sua expressão. Mas não se incomoda.

Com Extra