Image aids-696x429
(FILES) In this file photo taken on November 9, 2015 shows Claudia Aulo, a 13-year-old girl living with Aids and who lost both parents to the disease, taking her drugs at her grandmothers house in Ndiwa. Every three minutes, a girl between the age of 15 and 19 is infected with the virus that causes AIDS, said a UN report that warned on July 25, 2018 of a "crisis" fuelled by gender inequality. Girls and young women made up to two-thirds of 15- to 19-year-olds infected with HIV in 2017, according to data unveiled at the 22nd International AIDS Conference in Amsterdam. / AFP PHOTO / Simon MAINA

Um relatório do Fundo das Nações Unidas para as Crianças (Unicef), apresentado nesta quarta-feira, 25, na Conferência de Aids de Amsterdã, aponta que a cada três minutos uma menina entre 15 e 19 anos é infectada pelo vírus HIV. Entre os motivos estão sexo à força e estimulação do sexo precoce.

Embora tenha havido um progresso substancial na luta contra a aids nas últimas duas décadas, a incapacidade de evitar tantas infecções novas entre crianças e adolescentes está refreando esse avanço, disse o relatório.

Segundo o levantamento, a propagação da epidemia entre meninas adolescentes está sendo estimulada pelo sexo precoce, inclusive com homens mais velhos, sexo forçado, impotência para negociar relações sexuais, pobreza e falta de acesso a aconselhamento confidencial e exames.

“Na maioria dos países, mulheres e meninas carecem de acesso a informações, serviços e até ao poder de dizer não ao sexo de risco”, disse Henrietta Fore, diretora-executiva do Unicef. “O HIV floresce entre os mais vulneráveis e marginalizados, o que coloca as meninas adolescentes no cerne da crise.”

O relatório do Unicef, apresentado nesta quarta-feira em uma conferência da aids em Amsterdã, aponta que 130 mil adolescentes de 19 anos ou menos morreram de aids no ano passado e que 430 mil foram infectadas – quase 50 por hora.

 

Com Reuters