Image ataque

A juíza Beth Bloom o sentenciou a cinco prisões perpétuas consecutivas pelas primeiras cinco acusações

O veterano da guerra do Iraque Esteban Santiago Ruiz foi sentenciado nesta sexta-feira (17) à prisão perpétua pelo ataque a tiros no ano passado que deixou cinco mortos no aeroporto de Fort Lauderdale, na Flórida, informou a Promotoria americana.

“Embora nada possa curar as feridas infligidas pelo terrível ato de violência do acusado, esperamos que a prisão perpétua imposta hoje dê, ao menos, algum sentido de justiça para as vítimas”, disse o promotor federal Benjamin Greenberg, citado em comunicado.

Em 23 de maio, Santiago Ruiz havia se declarado culpado de cinco atos de violência que resultaram em mortes no aeroporto internacional e seis atos de violência que provocaram feridos no mesmo aeroporto.

A juíza Beth Bloom o sentenciou a cinco prisões perpétuas consecutivas pelas primeiras cinco acusações e seis penas consecutivas de 20 anos pelas demais acusações.

Em 6 de janeiro de 2017, o militar americano da reserva inciou um ataque a tiros no terminal 2 da área de esteira de bagagens do aeroporto de Fort Lauderdale, ao norte de Miami. Matou cinco pessoas e feriu gravemente outras seis.

Havia chegado de sua cidade de residência, Anchorage, no Alasca, com uma passagem só de ida, e depois confessou aos investigadores que havia planejado o ataque.

O atirador, então com 26 anos, foi preso sem ficar ferido, depois de gerar pânico e provocar o caos entre centenas de viajantes que correram para salvar suas vidas.

Em 7 de novembro do ano anterior, após perder o emprego em uma empresa de segurança, Esteban Santiago Ruiz foi a um escritório do FBI em Anchorage, onde disse que a CIA controlava a sua mente ao obrigá-lo a ver vídeos do grupo Estado Islâmico.

Os agentes então o enviaram ao serviço médico para um exame psiquiátrico.

Ex-membro da Guarda Nacional em Porto Rico e Alasca, Esteban Ruiz serviu no Iraque entre abril de 2010 e fevereiro de 2011. Terminou suas funções militares em agosto.

Com  Agence France-Presse