Uma ampla gama de “influenciadores digitais” de esquerda, moradores de todas as partes do país, que passaram a elogiar o governador do Piauí e candidato à reeleição, Wellington Dias (PT), foi o estopim para a divulgação de um amplo esquema de compra de apoio na Internet – o que é ilegal durante o período eleitoral – para candidatos petistas.

O esquema foi denunciado originalmente pela conta de Paula Holanda “Votem Lula Haddad” e a denúncia foi amplificada por centenas de mensagens publicadas por diversas contas no Twitter. De acordo com a denunciante original, o esquema determinava que os contratados deveriam “manter sigilo sobre a ação” e começou com mensagens em favor de Gleisi Hoffmann (presidente do PT, senadora e candidata a deputada federal pelo PT/PR), Luiz Marinho (candidato do PT ao governo do Estado de São Paulo) e, posteriormente, Wellington Dias (governador do Piauí e candidato à reeleição pelo PT).

Image
Denunciante do esquema fala sobre o agenciamento e a primeira “campanha”: defender a presidente do PT, Gleisi Hoffmann
Image
Denunciante do esquema fala sobre as próximas “campanhas”: defender o candidato do PT ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, e à reeleição no governo do Piauí, Wellington Dias
Image
Denunciante do esquema fala sobre o pedido da campanha para “manter sigilo”

A parte operacional do esquema era feita pela Agência Lajoy (CNPJ 13.607.600/0001-64), empresa individual que se diz especializada em trabalhar com “influenciadores digitais” criada pela petista Joyce Moreira Falete Mota, de Belo Horizonte – MG, ex-consultora de Internet da Rede Globo de Televisão.

Image
Perfis de Joyce Falete nas redes sociais: apoiadora de Lula trabalha como “agente de influenciadores digitais” há 8 anos, inclusive no período em que trabalhou como consultora da Rede Globo de Televisão

Em entrevista, Joyce afirmou ter sido contratada pela empresa Beconnected para “dar consultoria sobre quais jovens profissionais tecnológicos e digitais de esquerda eram aptos a construir e sugerir a melhor tática (conteúdo: posts, memes e gifs) de apresentar a proposta para quando chegasse o período eleitoral.”

A Beconnected Tecnologia Ltda (CNPJ 30.969.118/0001-93) é de propriedade de Rodrigo Queles Teixeira Cardoso e Herbert Chimicatti. Rodrigo foi nomeado secretário parlamentar do deputado federal Miguel Corrêa (PT-MG), atualmente candidato ao Senado pelo partido, no último dia 4 de julho de 2018. Como comissionado, Rodrigo já embolsou R$ 4.129,24 dos pagadores de impostos no mês de julho.

Image
Beconnected, empresa controlada por Rodrigo Queles Teixeira Cardoso e Hebert Chimicatti
Image
Nomeação de Rodrigo Queles Teixeira Cardoso com secretário parlamentar do deputado federal Miguel Corrêa (PT-MG)

Em entrevista, Rodrigo afirmou que sua empresa foi “contratada pelo PT, dede junho, para fazer o monitoramento de redes sociais”. Em nota, a empresa afirmou: “analisamos e monitoramos perfis reais para apontar de onde nasceram movimentos de unificação de conteúdo e viralização. Em alguns momentos fizemos isso, como no caso do #Lulazord, que obteve grande aderência da rede de esquerda”.

O contato com os “influenciadores digitais”, entretanto, era feito por meio de uma terceira empresa, a “Agência Venture Builders Studio” (vBuilders Studio), ligada a Luis Felipe Veloso de Lima, ex-funcionário da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais (SEDECTES), cujo secretário até o começo de janeiro também era Miguel Corrêa, deputado federal do PT, e onde também trabalhou Rodrigo Queles. Luis apagou a informação do seu perfil, mas a cache do Linkedin e do Google denunciaram a manobra.

Image
vBuilders Studio e seu criador, Luis, ex-funcionário da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais (SEDECTES), também ligada ao deputado federal petista Miguel Corrêa

Em contato com o ILISP, Luís Felipe afirmou que “há alguns meses eu comecei conversas para auxiliar no desenvolvimento dessa empresa, mas fundei outro negócio e não dei continuidade nem me tornei sócio ou trabalhei na be.connect (sic). Mas por uma infelicidade, esqueci de retirar essas informações do LinkedIn. Só lembrei hoje, ao ser contactado por um jornalista e não entender o que estava acontecendo”. Em relação à vBuilders Studio, Luís afirmou que “se enquadra na mesma situação descrita a cima (sic)”.

Tanto o perfil de Luís Felipe no Facebook quanto no LinkedIn, entretanto, mencionam uma quarta empresa, a Golz (Golz Tecnologia Ltda, CNPJ 30.969.179/0001-50), localizada no mesmo endereço da Beconnected (R. Fernandes Tourinho, 669, Sala 501) e com os mesmos sócios: Rodrigo Queles Teixeira Cardoso e Herbert Chimicatti.

Image
Luiz Felipe, ligado à “Agência Venture Builders Studio” (vBuilders Studio), é co-fundador de uma quarta empresa, a Golz Tecnologia, localizada no mesmo endereço da Beconnected e com os mesmos sócios

O contato com os “influenciadores” era feito por uma funcionária da vBuilders Studio, Isabella Bomtempo, e os termos eram claros: os influenciadores deveriam fazer “militância política para a esquerda”, “ativismo para partidos de esquerda como o PT”, tudo isso “sem sinalizar ser uma ação política”. Os exemplos de pautas incluíam “falar sobre o governo golpista”, “falar sobre a candidatura de Lula”, “falar sobre como as mulheres são pouco representadas na política” e “falar como a direita não apoia os LGBTs”. A mensagem ainda salientava que a ação “não é crime” (algo discutível de acordo com a lei eleitoral) e que a verba era de “R$ 1.500,00 por mês para a entrega de 1 conteúdo por dia publicado na sua rede social mais relevante”.

Image
Mensagem completa enviada pela funcionária da vBuilders Studio aos influenciadores digitais: regras, instruções e valores

Os influenciadores que aceitavam participar do esquema eram convidados a fazer parte do grupo “Lulazord” no Whatsapp e a fazer o download dos aplicativos “Follow” (posteriormente renomeado para FollowNow) e “O Brasil Feliz de Novo” (nome parecido com a denominação da coligação do PT que apresentou a candidatura à Presidência da República: “O Povo Feliz de Novo”). O segundo aplicativo deixa claro o intuito do uso: “Em tempos de fakenews (sic), você precisa saber em quem confiar. Comprometidos com um processo eleitoral responsável e consciente, o Partido dos Trabalhadores criou o Brasil Feliz de Novo, um aplicativo de compartilhamento de conteúdos diversos vinculados a algumas das nossas pré-campanhas. Aqui você encontra as principais notícias sobre a atualidade e o cenário político do Brasil. Compartilhamos também conteúdos relacionados com nossas lutas e propostas de campanha.”

Image
Prints dos aplicativos FollowNow e O Brasil Feliz de Novo na Apple Store

Outra forma de divulgação do aplicativo era feita por meio das redes sociais, incluindo o Whatsapp, sempre com o mesmo mote: convidar os interessados a baixar os aplicativos “FollowNow” e “O Brasil Feliz de Novo” para se tornar um “ativista digital”. Para deixar ainda mais claro o teor do segundo aplicativo, a página do app no Facebook tem a foto de Lula no perfil e na capa. O número para confirmar a participação no esquema é de Minas Gerais (DDD 31).

Image
Mensagem enviada pela equipe do Follow pelo Whatsapp a uma “influenciadora digital”: convite para se tornar uma “ativista” no projeto “Brasil Feliz de Novo” e número de Minas Gerais (DDD 31) para confirmar participação no esquema

O registro do aplicativo FollowNow, entretanto, é que guarda a ligação mais importante do esquema com um político do PT. De acordo com a página do aplicativo no Facebook, o e-mail do administrador do aplicativo remete a uma outra empresa, a “formulatech.com.br”. Consultando o registro do domínio, vemos que a empresa se chama “Formula Planejamento e Análise de Mercado Ltda EPP”, tendo sido registrada sob o CNPJ 20.758.048/0001-70.

Image
Página do FollowNow no Facebook remete a uma segunda empresa, a FormulaTech

Consultando o CNPJ da empresa que administra o aplicativo, descobrimos o sócio responsável pelo aplicativo, o coração de todo o esquema (e provável fonte do dinheiro destinado aos “influenciadores”): sim, ele, o deputado federal, ex-Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais -SEDECTES (onde trabalhou Luis Felipe Veloso de Lima da vBuilders Studio) e atualmente candidato ao Senado Federal pelo PT-MG, Miguel Corrêa da Silva Júnior.

Ironicamente, o deputado federal petista também possui uma segunda empresa, no mesmo endereço da Formula, chamada Follow, o nome do aplicativo. O endereço também é o mesmo da Beconnected de seu secretário parlamentar, Rodrigo Queles Teixeira Cardoso, e da Golz co-fundada por Luís Felipe.

Image
Empresas do deputado federal petista Miguel Correa que são o coração do esquema: Formula Tecnologia e Follow. Elas estão no mesmo endereço da Beconnected e da Golz de seu secretário parlamentar, Rodrigo Queles

Em outras palavras: por meio de uma rede de empresas que inclui uma ex-consultora da Rede Globo, um ex-funcionário da SEDECTES, um secretário parlamentar e as empresas do ex-secretário da SEDECTES, deputado federal do PT e atual candidato ao Senado pelo partido, Miguel Correa, “influenciadores digitais” foram contratados para fazer propaganda eleitoral paga nas redes sociais, o que é ilegal de acordo com a legislação eleitoral.

Resolução 23.551/2017 do Tribunal Superior Eleitoral, que dispõe sobre propaganda eleitoral, utilização e geração do horário gratuito e condutas ilícitas em campanha eleitoral nas eleições, define, em seu Art. 24, que é “vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga na internet, excetuado o impulsionamento de conteúdos, desde que identificado de forma inequívoca como tal e contratado exclusivamente por partidos políticos, coligações e candidatos e seus representantes”. Caso o caso vá a justiça, os políticos contratantes da rede e seus beneficiários podem inclusive ter o mandato cassado, caso eleitos, por abuso de poder econômico.

Finalmente, é importante registrar os perfis que aceitaram fazer a divulgação eleitoral ilegal em nome do PT. A lista é gigantesca, mas aqui temos alguns exemplos de perfis de esquerda que resolveram, “magicamente”, apoiar o governador do Estado do Piauí, Wellington Dias do PT, a terceira “campanha” do esquema.

Image
Briefing da terceira campanha da rede ilegal: falar bem do governador do Piauí, o petista Wellington Dias

Image

Image

Image Image Image