Image lesbica

Agressões físicas e verbais, seguidas de extensos pedidos de desculpa, fazem parte do padrão clássico de abuso doméstico – quadro comumente associado a um agressor do sexo masculino e uma vitima do sexo feminino. Mas um dos maiores equívocos sobre abuso entre parceiros íntimos é a ideia de que ele não existe nas relações homossexuais.

Um relatório divulgado em 2013 pela National Coalition of Anti-Violence Programs (NCAVP) apontou que mulheres lésbicas têm maior probabilidade de sofrer violência física da parceira – e elas responderam por 19% das vítimas de homicídio passional.

O dado soa ainda mais impressionante quando se leva em consideração que apenas 1,5% das mulheres nos Estados Unidos se autodeclaram lésbicas e 0,9% como bissexuais.

Seja em relações hetero ou homossexuais, o abuso é caracterizado por um padrão de comportamento em que um parceiro procura ganhar poder e controle sobre o outro.

“Normalmente imagens postadas representando abuso mostram uma mulher com um olho ferido e a suposição é que seu agressor é um homem”, explica Vilma Uribe, líder da La Red, uma organização com sede em Boston que apoia a comunidade LGBT. “As pessoas não reconhecem que o abuso pode acontecer entre as mulheres. E não se trata apenas de abuso físico. O abuso emocional e verbal também pode ter uma consequência enorme.”

Embora a manipulação nas relações entre pessoas do mesmo sexo também aconteça em envolvimentos heterossexuais, o abuso acaba sendo agravado pelo status marginalizado que homossexuais ainda possuem em diferentes comunidades. “O agressor pode usar a identidade de alguém contra ele, ameaçando ou dizendo que ninguém vai acreditar na denúncia por causa de sua orientação sexual”, afirmou Uribe. O quadro se torna ainda pior para negros LGBT. Segundo o relatório NCAVP, negros constituem a maioria entre os sobreviventes de violência doméstica.

Uma vez relatado o quadro de abuso doméstico, encontrar serviços de apoio é ainda mais difícil para aquelas que saem de um relacionamento homoafetivo. O despreparo faz com que os especialistas acabem excluindo ainda mais as sobreviventes. Segundo o relatório do instituto, nos abrigos, o número de lésbicas que sofreram violência chega a ser 4,9 vezes maior do que em relação a outras vítimas.

O próprio sistema apresenta claro despreparo para este tipo de situação. “Os estereótipos são usados contra elas”, diz Uribe, revelando ainda que já colheu relatos de mulheres que pediram ajuda policial diante de um incidente de violência doméstica com agressora do sexo feminino e ouviu dos oficiais que não era mais do que “uma luta de gatos”.

Para ela, o maior desafio para mudar este quadro está na conscientização de toda a sociedade. “Precisamos criar comunidades onde sejamos responsáveis ​​uns pelos outros. Também é preciso tratar a homofobia dentro de nossos espaços”, afirmou.

 

Com Claudia