Image marina-34

Guilherme Boulos, do PSol, fará comício na Praça do Carmo nesta quarta-feira (22), Haddad (PT) e Ciro (PDT) visitam o estado até o dia 30 e Geraldo Alckmin pode vir a Petrolina, mas agenda de tucano não está definida

Num cenário adverso ao de 2014, quando tinha o ex-governador Eduardo Campos (PSB) como padrinho em Pernambuco, Marina Silva estreia a campanha eleitoral no Nordeste e no estado hoje, sem apoio de cacifes e grandes partidos políticos. Ao seu lado, estará o ex-prefeito de Petrolina Julio Lossio (Rede), candidato ao governo de Pernambuco. Ambos ficaram praticamente sem alianças partidárias e vão apostar no capital político que tiveram no passado. Marina foi senadora, ex-ministra do meio ambiente e é candidata à Presidência da República pela terceira vezes. Julio elegeu-se prefeito em 2008 e 2010 e derrotou – nas ocasiões em que ele mesmo concorreu – os candidatos de Eduardo, quando o então governador que estava no auge de sua carreira política.

O primeiro ato de campanha de Marina em Pernambuco será um evento fechado, que exige poucos gastos e uma mobilização menor de simpatizantes. No início da tarde, ela estará no Porto Social, na Ilha do Leite, dará uma entrevista coletiva às 15h30 e fará uma live no Facebook às 17h. O Porto Social é conhecido como aceleradora e incubadora de ONGs, projetos sociais e negócios sociais.

Marina Silva é a primeira candidata ao Palácio do Planalto a pisar em solo pernambucano. Ela é a única candidata mulher que tem chances reais de ter uma boa votação nessas eleições, podendo tanto atrair um voto mais conservador como aquele de centro-esquerda. Na última eleição presidencial, no primeiro turno, ela venceu, em Pernambuco, a então presidente Dilma Rousseff (PT) e o senador Aécio Neves (PSDB), que terminaram passando para o segundo turno. Marina teve 48% dos votos no estado em 2014 e também está de olho nos votos simpatizantes de Lula. Pela última pesquisa Datamétrica, se Lula não for candidato, o ex-ministro da educação Fernando Haddad (PT) ganha em Pernambuco, porém Marina ainda fica em segundo lugar.

Segundo o senador Humberto Costa (PT) e o presidente estadual do PT, Bruno Ribeiro, Haddad deverá vir ao estado entre os dias 28 e 30 de agosto, num aceno à militância do PT. Ele é vice de Lula na disputa presidencial, mas pode ser alçado a candidato como plano B do partido. Haddad teve um papel decisivo, aliás, na aliança entre o PT e PSB em Pernambuco. Ele chegou a rotular a gestão de Paulo Câmara como “vitrine”.

O candidato do Psol ao Palácio do Planalto, Guilherme Boulos, estará no estado amanhã, ao longo do dia e fará um comício na Praça do Carmo, no centro do Recife, tradicional reduto de comícios históricos realizados por Lula. O evento público será as 19h, depois de um dia de compromissos com a militância. Boulos é o único que vem defendendo publicamente a liberdade de Lula.

O presidenciável Geraldo Alckmin (PSBD), que tem pouca inserção em Pernambuco e no Nordeste,  está discutindo uma agenda em Petrolina, onde poderia seria recebido pelo prefeito Miguel Coelho (PSB), que integra a base do candidato Armando Monteiro Neto (PT). Segundo o deputado federal Bruno Araújo (PSDB), candidato ao Senado, a data da visita de Alckmin ao estado ainda não está definida.

Já o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), de acordo com o secretário-geral do PDT, Túlio Gadelha, também pode vir ao estado na próxima semana, mas nem o local ou o data foram fechados. Ciro ainda se recupera do baque político, depois de perder o apoio nacional do PSB e do PCdoB.