Morreu na noite desta quinta-feira (31), aos 100 anos de idade um  dos maiores repentistas do Nordeste, João Batista Bernardo, conhecido como João Furiba, que nasceu em 04 de julho de 1922, em Taquaritinga do Norte-PE e viveu boa parte da vida em Sumé, no Cariri Paraibano, e atualmente estaria morando em Triunfo-PB.

O artista que era um dos maiores nomes da viola, teve dez casamentos e 20 filhos, e faleceu no hospital regional de Cajazeiras.

Alguns versos de João Furiba:

Certa vez, cantando com Manuel Laurindo que terminou uma estrofe afirmando sua admiração pelo “o tigre da mão chata”. Furiba sapecou essa imortal sextilha, peça obrigatória no arquivo das obras geniais.

“Eu admiro é a barata
Saber voar e correr,
Chega na lata de açúcar
Bate um baião pra comer,
O que come é muito pouco,
Mas bota o resto a perder.”

Furiba duelava com o famoso e imbatível Lourival Batista que aproveitou da ocasião para criticá-lo em virtude de se fazer acompanhar da esposa e terminou uma estrofe: “Não gosto de homem que anda / Com a mulher por toda rua.”.

Furiba mostra sua genialidade, improvisando essa obra de arte:

“Pra não fazer como a tua
Que fica em casa sozinha,
Entra homem pela sala,
Sai homem pela cozinha,

Eu como sou desconfiado
Pra onde vou, levo a minha.”.

Informações do Blog de Bruno Lira