A exoneração do assessor especial de Ricardo Vélez, Bruno Garschagen, ligado ao ideólogo de direita Olavo de Carvalho, foi publicada no Diário Oficial da União, nesta quinta (4). A demissão foi assinada por Onyx Lorenzoni, chefe da Casa Civil.

Outra demissão, também publicada no Diário Oficial, é a da chefe de gabinete do MEC, Josie de Jesus. Ex-funcionária do Centro Paula Souza, em SP, ela não ficou nem um mês no cargo.

De acordo com o jornal “O Globo”, foi nomeado para o seu lugar Marcos de Araújo, que já foi subcomandante geral da Polícia Militar do Distrito Federal e professor da Academia dos Bombeiros de Brasília.

Segundo o blog da Renata Cafardo, do jornal “Estado de São Paulo”, Bruno Garschagen foi um dos assessores que decidiram enviar às escolas uma carta do ministro com o slogan usado na campanha de Bolsonaro à presidência e pedindo para que as crianças fossem filmadas cantando o Hino Nacional.

De acordo com “O Globo”, não se sabe ainda quem ficará no lugar de Garschagen como assessor especial do ministro da Educação.

Da redação com O Globo