Ao menos 14 civis morreram hoje em ataques aéreos do regime contra o último reduto jihadista na Síria, na região noroeste do país, onde os combates já fizeram mais de 50 mortos em 24 horas. A província de Idlib e partes das províncias vizinhas de Hama, Aleppo e Latakia, controladas por jihadistas do Hayat Tahrir Al Sham (HTS, ex-braço da Al-Qaeda), são palcos desde o final de abril de combates entre os extremistas e forças pró-regime, apoiadas pela Rússia.

Desde ontem à noite, os combates fizeram 52 mortos, segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Destes, 29 eram soldados do regime e 23 jihadistas. Além disso, 14 civis morreram em ataques realizados durante a noite, incluindo 12 na cidade de Maaret Al Numan.

O OSDH, que tem uma ampla rede de fontes no país, também citou 18 feridos nos bombardeios.

O ataque teve como alvo um mercado da região e foi conduzido pelo regime de Damasco, de acordo com a ONG.

Segundo testemunhas, a zona estava cheia de gente, uma vez que muitos moradores estavam no mercado para a ruptura do jejum do Ramadã. “Muitas lojas foram destruídas e o chão estava cheio de pedaços de corpos e cadáveres”, declarou à AFP Khaled Ahmad, proprietário de uma loja.