Parlamentares e governadores de oposição também condenaram a declaração do presidente

O governador de São Paulo João Doria (PSDB), classificou como “inaceitável” a declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre o desaparecimento do pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil , Felipe Santa Cruz, morto durante a ditadura militar.

— É inaceitável que um presidente da República se manifeste dessa forma como se manifestou em relação ao pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. Foi uma declaração infeliz do presidente Jair Bolsonaro — afirmou Doria, após participar nesta segunda-feira de evento no Palácio Bandeirantes, sede do governo paulista.

— Não posso silenciar diante desse fato. Eu sou filho de um deputado cassado pelo golpe de 1964. Eu vivi o exílio com o meu pai, que perdeu quase tudo na vida em 10 anos de exílio pela ditadura militar — acrescentou o governador de São Paulo.

Mais cedo, ao questionar a atuação da OAB na investigação no caso de Adélio Bispo, que o esfaqueou num atentado no ano passado, Bolsonaro afirmou que poderia explicar ao presidente da entidade como o pai dele desapareceu na ditadura.

Bolsonaro afirmou que não foram os militares que mataram pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. Bolsonaro disse que Fernando Santa Cruz, integrante do grupo Ação Popular (AP) e desaparecido durante a Ditadura Militar, teria sido assassinado por “justiçamento da esquerda”  (prática em que militantes julgam e eliminam pessoas traidoras de movimentos revolucionários).

Pela manhã, o presidente havia criticado o líder da OAB e afirmado que, se Felipe Santa Cruz quisesse, poderia dizer como o pai desapareceu.

A sugestão fez com que Santa Cruz decidisse interpelar Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF), após divulgar uma nota em que o chama de cruel.

Com O Globo